Precisamos antes de mais nada conceituar o bruxismo: ele consiste numa descarga neuromuscular controlada pelo sistema nervoso central e que repercute no hábito de ranger e/ou apertar os dentes. Pode acontecer tanto durante a noite (bruxismo do sono) como durante o dia (bruxismo da vigília). Em ambos os casos, essa descarga neuromuscular liberada para os músculos da face poderá repercutir em cansaço e dores musculares, desgaste dentários, edentações na língua, mordidas na bochecha, etc.
O bruxismo ainda pode ser potencializado por fatores secundários, como estresse, obstruções das vias aéreas, distúrbios do sono, fumo, álcool, café, drogas e medicamentos, refluxo gastro-esofágico, dentre outros.
Seu tratamento consiste no correto diagnóstico pelo profissional, que irá desenvolver um plano de tratamento individualizado envolvendo desde o monitoramento do bruxismo diurno (com diários dos hábitos do paciente, aplicativos de celular que monitoram os episódios, etc), controle dos fatores associados, fisioterapia ou fonoaudiologia, e placas interoclusais de acrílico ajustadas para uso noturno.


Dr. Guilherme Thiesen

– Pós-Doutorado na Saint Louis University, Saint Louis, EUA.
– Especialista, Mestre e Doutor em Ortodontia e Ortopedia Facial.
– Diplomado pelo Board Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial.
– Prof. de Graduação e Pós-Graduação em Ortodontia.
– Ortodontista clínico em Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.


0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *